"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas"A-Antoine de Saint-Exupéry
Exupéry

quarta-feira, 25 de julho de 2007

Greve de professores do Estado do RN continua!


É gente... Aqui no RN a greve dos professores públicos perdura a quase 30 dias. A secretária de educação diz que é a minoria dos professores em greve e que não tem o que reinvindicar porque tudo o governo já fez, mas não sei não... Muitas das reinvidicações é de direito dos servidores, mas não foi cumprida pelo governo atual. Uma ou outra foi cumprida pela metada no início da greve (coincidência?), por exemplo, professores nomeados em 2000, desde essa data, recebem salário como se não fosse de nível superior (formado, tendo salário abaixo do nível superior, como se fosse formado até o nível médio) , depois da greve alguns passaram a receber o normal, mas outros não. Além disso, o que o estado deve desde 2000 para esses professores, até agora nada, por isso tanta revolta assim com os professores. Eu em estado probatório, não estou fazendo greve porque entrei agora com meu salário normal (se bem que ele só deve chegar depois de 60 dias, é praxe isso, ou até mais, acumulado para ficar depois retido na fonte, na receita, pode? Mas tudo bem, um dia vem tudo). Apesar de eu não poder fazer greve, todos os dias indo lá não vejo alunos para dar aula. Assim fico na espera que esse problema se resolva, que os professores em greve recebam o salário justo além dos outros benefícios que estão em lei garantidos a eles. E assim, os alunos retomem suas aulas. Aqui vai o texto pego na página oficial da CUT sobre a greve e quais as reinvidicações. E aqui no blog, a sua esquerda em também você verá um vídeo interessante sobre um programa de ensino feito a muito tempo aqui em Natal/ RN, chamado: De pé no chão também se aprende a ler. Vale a pena ver! Me dá até orgulho do meu estado, um dia alguém ter tido essa idéia. Espero que os políticos hoje se lembrem desse episódio tão importante, e valorizem mais o trabalho dos professores, pq sem educação, o Brasil não vai para frente!!!




O SINTE–RN (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Rio Grande do Norte) está em greve desde o último dia 9 exigindo a abertura de negociações do governo estadual com a categoria.

As principais exigências do sindicato são os planos de carreira para funcionários de escolas públicas, com enquadramento dos professores que não os obtiveram; centralidade dos processos de gestão, financiamento, valorização profissional e salarial; formação continuada permanente e democratização do sistema público de ensino.

Os trabalhadores denunciam que o governo estadual tentou desmontar o movimento através de dois ataques; nota repressora, que ameaçava cortar o ponto dos grevistas e intimidações lançadas aos professores em estágio probatório. A última agressão foi na forma de retaliação direta à diretora do SINTE-RN, Janeayre Souto.

Através de ofício, o governo condicionou o funcionamento da comissão do programa Profuncionário à substituição do nome de Janeayre. Além disso, o Estado convocou os dirigentes estaduais e regionais do sindicato a se apresentarem à Secretaria de Educação, no prazo de dez dias, para serem encaminhados às escolas. Caso contrário, ameaça, os trabalhadores sofrerão medidas administrativas punitivas.

Segundo Janeayre, os trabalhadores da educação não admitem mais posturas arbitrárias e antidemocráticas, como as tomadas pela Secretaria da Educação, porque o que o sindicato quer é negociação, garantia de direitos e conquistas.

A CUT nacional manifestou solidariedade ao movimento, sublinhou a importância do diálogo para dirimir conflitos e condenou a postura ditatorial do governo estadual.

Veja a Pauta de reivindicações aprovada para esta campanha salarial

1. Plano de Carreira para os Funcionários da Educação
2. Promoções Verticais e Horizontais;
3. Concursados 2000;
4. Perdas dos professores do quadro suplementar;
5. Aumento salarial;
6. Vale-alimentação;
7. Meia passagem urbana;
8. Plano de habitação para a categoria;
9. Convocação dos concursados de 2005;
10.Revogação da Portaria de nº. 743/06, que impedia a concessão de licença-prêmio;
11. Concessão de aposentadorias;
12. Pagamento do 1/3 de férias para os professores convocados;
13. Concessão de aposentadoria de acordo com a Lei Federal de nº. 11.301/06;
14. Pagamento aos estagiários e aos professores que prestaram serviço como horas suplementares; 15. 29% de reajuste salarial rumo ao Piso Nacional.

Avanços Pedagógicos

1. Plano Estadual de Educação;
2. Currículo;
3. Tempo de Trabalho Escolar;
4. Grade Curricular;
5. Avaliação de Desempenho fora da visao de mercado;
6. Mais atenção à saúde do trabalhador em educação.
O que tem no Jornal Tribuna do Norte sobre a greve:
Professores da rede estadual decidiram por unanimidade, em assembléia realizada ontem (17/7), a manutenção da greve geral que já alcança o seu décimo dia. O educadores se reuniram no início da tarde na Escola Estadual Winston Churchill e fizeram uma avaliação do movimento, deliberando pelam ratificação da suspensão das aulas.Segundo avaliação do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Estado do Rio Grande do Norte (Sinte-RN), a adesão à greve até ontem à noite era de cerca de 85%. “A própria imprensa já reconhece isso, mesmo sem conversar com o Sindicato”, declarou Fátima Cardoso, uma das coordenadoras do Sinte. Os sindicalistas criticam ainda as notas publicadas em cais de televisão pela Secretaria Estadual de Educação, em que é exposto o aumento dos salários dos professores desde o início do primeiro Governo Wilma de Faria. A propaganda traz, por exemplo, a informação de que, em 2003, os professores formados recebiam R$ 290,00 por mês e que hoje, o vencimento é de R$ 868,00.Mas segundo o Sinte-RN, a propaganda omite que os professores recebiam além do salário-base, uma gratificação de R$ 148,00, mais R$ 167,00 de regência de classe, o que resultaria em um salário de R$ 608,00. “Por isso, o incremento do Governo Wilma, nesse tempo todo, foi de apenas R$ 260,00. Consideramos essas notas um desrespeito à sociedade”, argumentou Fátima.Cardoso ainda questionou a informação governamental de que são investidos 31% do orçamento do estado em educação básica. Segundo a coordenadora do Sinte, o Governo tem acrescido ao cálculo os gastos com a Universidade Estadual do RN (Uern), com o Instituto Kennedy e com os aposentados. “Educação básica não é isso. Porque ela não lança um plano estadual de Educação, que não tem gasto?”, completou a sindicalista. Os professores da rede estadual lutam por uma reajuste salarial de 29%, além de questões funcionais, como gratificações atrasadas, correções de cortes nos salários e implementação do Plano de Cargos e Salários dos funcionários das escolas. “Estamos cansados de papéis assinados, mas sem valor. Eles estão desprezando o potencial desta categoria”, enfatizou Fátima Cardoso. Equipes da Secretaria Estadual de Educação estão percorrendo as escolas, tentando convencer professores a voltarem o trabalho. O corte dos pontos não está descartado pela secretária Ana Cristina Cabral, e é considerado uma conseqüência natural para a falta ao serviço. Hoje (18/07) os grevistas percorrerão escolas de município da Grande Natal, e amanhã, fazem assembléia com estudantes, às 14h no Churchill, seguida de panfletagem no centro de Natal.

2 comentários:

giovannart@hotmail.com disse...

Olá..
gostaria de saber a página correta do site que vc pegou essas reivindicações dos professores.
Pois o do CUT não está abrindo corretamente e procurando lá (no site da CUT), não encontramos nada sobre essa greve.

Desde já,
obrigada.

Álisson C. Silva disse...

sei que eles estão reinvindicando seus direitos, e junto com essa bagunça também prejudicam milhares de aluno que estão, ou melhor, estavam em periodos especiais, estudando mais do que nunca para vestibulares, concursos, até mesmo para o eném.Pergunto eu, é justo pessoas que lutam por um futuro melhor serem vitimas dessas menifestações?sendo prejudicados, condenados por uma culpa que ne é deles?.
Quando esses professores foram se inscrever pra o concuro que o selecionou para o conjunto discente da unidade escolar, eles receberam um edital certo? nesse edital estava escrito justamente o valor que iriam receber, e comcordaram com isso!O que mais vocês querem? Ja tem sabado e domingo de folga, todo feriado que aparece, também fica em casa e recebem um bom dinheiro.Vejam bem um agricultor, trabalham de segunda a sábado, com um intenso calor, e com uma enxada na mão e ganham só no maximo 300 reais, os professores estão por cima da carne seca, enquanto outras pessoas preferiam estar no lugar deles.Agradeça~m pelo que tem não nos prejudique mais!